segunda-feira, março 16, 2009

Visita ao Fluviário

Em Mora, já foram? Vão que vale a pena.

E quem é que eu encontrei?
Claro, o príncipe que virou sapo
Mas não me deixou beijá-lo, saltava sempre.


Ah e se lá forem não deixem passar o pic-nic debaixo dos sobreiros (não vale ir para o parque das merendas comer na mesa, tem mesmo que levar manta)

Mas giro, giro foi mesmo o templo de Diana em Évora.
Desgraçada daquela terrinha que é tão gira e não é minha.

4 comentários:

Anónimo disse...

Tem graça que não me lembro de ter visto lá o principe sapo ;)
Para mim o Fluviário é engraçado mas não vale uma deslocação de propósito lá.Inserido num passeio maior,faz todo o sentido.
Rosa Clara

O Fio da Meada disse...

já lá estive, fui de propósito, e vim de lá chateado

ao que parece não se pode tirar fotografias. compreendo que flashes possam perturbar os animais, pelo menos alguns, agora o que não compreendo é que não se possa fotografar sem flash

a iluminação até é relativamente boa dentro dos aquários, referi ao empregado que não usaria o flash, mas pelos vistos o prblema era mesmo fotografar, independentemente de perturbar ou não os animais, incompreensível!

era o mesmo que ir ao jardim zoológico e não poder fotografar os animais

o mais parvo nisto tudo é que a melhor explicação que tive para a proibição foi:

"desculpe lá mas não pode porque não pode, é proibido"

enfim, é o melhor que conseguimos

:|

mas sim, é giro..

aí mesmo ao lado do templo de Diana há um museu, suponho que numa casa senhorial muito antiga que estava a ser remodelada dizia lá num aviso, que só estava disponível para visita, devido a remodelações, metade do espaço do museu, contudo, o preço da entrada era integral

questionando a senhora, num tom de brincadeira e depois de referir que era minha intenção mesmo assim visitar o museu, fui interpelado mais ou menos nestes termos:

"..o sr. não é obrigado a entrar, aliás, visitas dessas dispensamos, eu também estou aqui inteira, e tenho de estar aqui o dia inteiro e não me queixo..."

e disse ainda mais umas alarvidades num tom incompreensívelemente agressivo

ficamos todos de boca aberta a olhar a mulher, eu ainda tentei lhe explicar que estava a brincar, aliás o sorriso e a intenção de visitar o museu era prova disso, mas foi inútil

só consegui dizer-lhe que estava muito mal naquele emprego, a lidar com pessoas

tenho azar no alentejo, apesar de ter imensos amigos alentejanos, não gosto da forma como olham os forasteiros, em especial os lisboetas,

o templo de diana também é giro

:|

Devaneante disse...

Estou mesmo a imaginar o pobre do sapo a fugir e a pensar "Não, não quero voltar a ser príncipe, vai-te embora bruxa má!" :-))))

dina disse...

bolas fio-da-meada isso é que foi azar, mas olha "fotos" já são permitidas, ainda ia perguntar mas depois vi um placard com o simbolo sem flash (ainda bem que não perguntei, ainda acertava num que não sabia ler os placards).
alentejanos !!! bom, tenho um em casa e alguns na familia, gosto dos "meus alentejanos", mas também tenho uma ideia muito reservada em relação aos outros. felizmente que nunca ninguém me fez a fita do museu, mas fizeram-me numa esplanada na praça do giraldo, em que me levantei e vim embora !!!